02:40hs
Sábado, 25 de Maio de 2024
São Lourenço - Notícias
08/02/2018 11h10

Leonel Junqueira 103 anos

Uma preciosidade histórica

Por Gislene Vilela

Gislene Vilela - Perspectivas de Leonel Junqueira para 2018, em nível pessoal e coletivo:
Tenente Coronel Leonel Junqueira – Em nível pessoal, acredito que 2018 será um ano de grandes mudanças no Brasil, dependendo dos políticos que forem eleitos. No nível coletivo, penso que 60 ou 70% dos brasileiros esperam que o suriname financeiro dos últimos 14 anos seja debelado em 2018.
G.V- Quais os segredos para ultrapassar mais de um século vivendo com lucidez e qualidade de vida?
Creio que a minha qualidade de vida se deve aos hábitos sadios: alimentação balanceada, dormir cedo e acordar cedo, o uso moderado de bebida alcoólica e principalmente, por ter ficado livre do vício do cigarro. A lucidez, talvez seja pelo hábito de ler e escrever muito, mesmo depois de ultrapassar os 100 anos de idade.
G.V- O senhor mantém atitudes positivas diante das adversidades, apesar de ter participado do conflito mais sangrento da História da Humanidade – que foi a 2ª Guerra Mundial. Como consegue essa façanha?
Acredito que os ensinamentos de moral e cívica recebidos ainda nos bancos escolares, a rígida disciplina militar e principalmente o meu caráter, tenham contribuído para aceitar os reveses da vida com resignação e altivez.
G.V- A onda de violência vem se espalhando no mundo em diversas formas, assolando desde as famílias e alcançando amplitudes mundiais. Com sua experiência de vida, qual o conselho para minimizar estes comportamentos domésticos e entre Países?
Para a provocação e demonstração de poder entre Países, antes de partir para um confronto bélico, seus governantes devem tentar resolver suas divergências através dos canais diplomáticos. Numa luta armada, tanto vencidos como vencedores saem perdendo.
Nos conflitos domésticos, configura-se a falta de Deus no ambiente familiar. Em muitos lares modernos acreditam que religiosidade é coisa para pessoas humildes e sem instrução. Vale a pena contar uma historinha real: No mesmo banco de um transporte coletivo viajavam um jovem universitário e um venerável ancião que ia rezando o seu rosário. O jovem atreveu-se a dizer-lhe: “Por que em vez de rezar não se dedica a aprender e instruir-se um pouco mais? Eu posso enviar-lhe um livro para que o senhor se instrua.” O ancião respondeu-lhe: “Agradeço-lhe que me envie o livro para esta direção” e entregou-lhe o seu cartão. Nele dizia: Luiz Pasteur, Instituto de Ciências de Paris. O universitário ficou envergonhado. Tinha pretendido dar conselhos ao mais famoso Sábio do seu tempo, o inventor das Vacinas, que era estimado no mundo inteiro e devoto do Rosário.
G.V- Estudiosos dizem que o vício em tecnologia é o mal do século XXI, podendo gerar prejuízo pessoal, social e profissional. O senhor é um usuário moderado das redes sociais, como Facebook, WhatsApp, e-mail e outras. Aos 103 anos de vida o que pensa desse parecer?
Como usuário moderado das redes sociais, até agora essa tecnologia não me causou nenhum mal, pessoal, social ou mental.
G.V- Ten. Cel. Leonel é um exemplo de patriota autêntico. Lembrando que neste ano teremos Copa do Mundo e Eleições. Para o senhor, quais as diferenças do patriotismo futebolístico e eleitoral?
Para os fanáticos em futebol, a Copa do Mundo pode parecer mais importante. Mas para aqueles que amam verdadeiramente a sua Pátria, as eleições representam a esperança de dias melhores para o povo brasileiro.
G.V- De que maneira o senhor estabelece diariamente a sua conexão com Deus?
Ao amanhecer de cada dia, faço a minha conexão com Deus, elevando uma prece de louvor e de agradecimento por mais um novo dia em minha vida. Nesse momento de oração coloco nas mãos de Deus o meu desejo de continuar manso e humilde de coração.
G.V- Considerações finais:
Para finalizar, desejo que em 2018 se realize plenamente o sonho de milhões de patriotas que amam este torrão BRASILEIRO.


PUBLICIDADES
SIGA-NOS
CONTATO
Telefone: (35) 99965-4038
E-mail: comercial@correiodopapagaio.com.br